REALIDADE OCULTA QUE NÃO SE PUBLICA NA MÍDIA


MICRO-ONDAS É PREJUDICIAL

 

    Fornos microondas estão em quase todos os lares, o microondas é de facto benéfico?

    Será que as radiações não nos fazem mal? Quem diz isso são os vendedores de microondas, obviamente querem vender, não iriam revelar as desvantagens.

     

    Como funciona o microondas:

    Cada forno a microondas possui um magnetron, um tubo em que os electrões são afectados pelo campo eléctrico magnético em tal forma para produzir uma radiação com um micro comprimento de ondas, cerca 2450 Mega Hertz ( MHz) ou 2,45 Giga Hertz (GHz). Esta radiação a microondas interage com as moléculas dos alimentos. Cada onda de energia muda a sua polaridade de positiva a negativa em cada ciclo da onda.

    Em modelos comerciais, o forno tem uma entrada de energia de aproximadamente 1000 watts de corrente alternada.

     Enquanto estes microondas geradas pelo magnetron bombardeiam o alimento, elas fazem rodar as moléculas do alimento na mesma frequência milhões de vezes por segundo.

    Toda esta agitação cria uma fricção molecular, a qual aquece os alimentos. A fricção também causa um elevado dano nas moléculas vizinhas, frequentemente rasgando-as em partes ou deformando-as completamente. O nome científico para esta deformação é “isomerismo estrutural“.

     A radiação, como definida pelas terminologias da física, são “as ondas electromagnéticas emitidas pelos átomos e moléculas de uma substância radioactiva como consequência da deterioração nuclear. “ a radiação provoca a ionização, o que ocorre quando um átomo neutro ganha ou perde electrões. Em poucas palavras, um forno a microondas deteriora e altera a estrutura molecular dos alimentos com o processo de radiação. Se os fabricantes tivessem chamado estes fornos de “fornos de radiação, é duvidoso se eles teriam vendido pelo menos um. Mas aquilo é exactamente o que um forno a microondas é.

     

    De acordo com o que dizia Dr  Hans Ulrich  Hertel (Aposentado, era cientista de alimentação na Suiça).

    “A leucocitose, a qual não pode ser considerada como normais alterações diárias e levada muito seriamente pelos hematologistas. Os leucócitos são frequentemente sinais de efeitos patogénicos em nosso organismo, tais como envenenamento e danos celulares. O aumento dos leucócitos com os alimentos feitos com microondas eram mais pronunciados que com todas as outras variedades alimentares. E parece que estes aumentos eram causados inteiramente pela ingestão de substâncias tratadas com microondas.

     Existe a literatura científica extensiva concernente aos perigosos efeitos da directa radiação microondica nos organismos vivos.

    Tecnicamente, a produção de microondas é baseada no princípio da corrente alternada. Átomos, moléculas, e células golpeados por esta dura radiação electromagnética são forçados a reversão de polaridade 1-100 biliões de vezes ao segundo. Não existe átomos, moléculas ou células de qualquer sistema orgânico capaz de resistir a uma tão violenta e destrutiva força por qualquer período de tempo, nem mesmo com uma baixa intensidade de energia de milliwatts.

     

    De todas as substancias naturais - que são polares - o oxigénio das moléculas da água reagem mais sensivelmente. É assim que o calor do cozimento com microondas é gerado - a violência desta fricção nas moléculas da água. A estrutura das moléculas são divididas, as moléculas são deformadas pelo uso da força, chamada isomerismo estrutural, e assim torna nociva a sua qualidade. Isto é o contrário para o aquecimento convencional dos alimentos onde o calor é transferido convencionalmente de fora para dentro. O cozimento por microondas começa dentro das células e moléculas onde a água é presente e onde a energia é transformada em calor friccional.

     As mesmas deformações violentas que ocorrem nos nossos corpos, quando somos expostos directamente aos radares ou microondas, também ocorre nas moléculas dos alimentos cozidos em fornos a microondas. Esta radiação provoca a destruição e a deformação das moléculas dos alimentos. Usando microondas também se criam novos compostos chamados “compostos radiolíticos“, os quais são desconhecidas fusões não encontradas na natureza. Compostos readioliticos são criados pela decomposição molecular - decadência - como um resultado directo da radiação.

     

    Carcinógenos em alimentos aquecidos no microondas:

    No livro do Dr. Lita Lee, Efeitos na Saúde das Radiações de Microondas - Os Fornos a Microondas, e nas edições de Março e Setembro/1991 da revista “Earthletter“, ela declara que todo forno a microondas perde radiação electromagnética, que é nocivo para os alimentos e transforma as substâncias nele preparadas em perigosos organismos tóxicos e produtos carcinogénicos. Pesquisas suplementares resumidas neste artigo revelam que os fornos a microondas são muito mais perigosos de quanto previamente imaginado.

     

    A seguir temos um sumário das investigações Russas publicadas pela Atlantis Raising Educational Center em Portland, Oregon. Carcinógenos foram formados em praticamente todos os alimentos testados. Nenhum alimento testado foi exposto às microondas por um tempo maior do que o necessário para realizar o propósito, isso é, cozinhar, descongelar ou aquecer os alimentos para assegurar uma ingestão sanitária. Aqui está um resumo de alguns dos resultados:

    • O tratamento com microondas de preparados à base de carne apenas o suficiente para a normal ingestão, causou a formação de D-nitrosodienthanolaminas, bem conhecidas como carcinógeno (Cancerógeno).
    • O leite e os cereais aquecidos com microondas converteram alguns de seus aminoácidos em carcinógenos.
    • Descongelando frutas congeladas estas converteram o seu conteúdo de glucose e galactose em substâncias carcinógenas.
    • Uma exposição extremamente curta de verduras cruas, cozidas ou congeladas converteu o alcaloide presente nas verduras em carcinógenos.
    • Radicais livres carcinogénicos foram formados em plantas expostas às microondas, especialmente raízes vegetais.
    • Diminuição do valor nutricional

    Pesquisadores Russos também relataram uma acentuada aceleração da degradação estrutural levando a uma diminuição do valor nutritivo do alimento de 60 a 90% em todos os alimentos testados. Entre as mudanças observadas estavam:

     

    Diminuição da bio-disponibilidade das vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, minerais essenciais e factores lipotrópicos em todos os alimentos testados.

     

     A degradação das nucleo-proteínas nas carnes.

     EM 1976 , na União Soviética, foi proibido o uso  de aparelhos microondas.

     

    Estudos Russos e alemães revelam:

    Alimentos expostos a microondas revelam alteração das elementares substâncias alimentares provocando desordens no sistema digestivo pelo instável catabolismo dos alimentos expostos às microondas (o colapso do processo metabólico);

    Devido as alterações químicas dentro das substâncias dos alimentos, disfunções foram observadas dentro do sistema linfático (vasos absorventes) causando a degeneração do potencial de imunização do corpo para proteger contra certas formas de neoplasias (crescimento anormal dos tecidos);

     

    A ingestão de alimentos preparados em fornos a microondas causou uma alta no percentual de células cancerígenas dentro do soro do sangue (citomas - células tumorais tais como sarcoma);

     

    Emissões de microondas causaram alterações no comportamento metabólico (colapso metabólico) dos elementos da glucoside (dextrose hidrolizada) e galactoside (alcool oxidado) nas frutas congeladas quando foram descongeladas deste modo.

     A emissão de microondas causou alterações do comportamento catabólico (colapso do metabolismo) dos alcalóides das plantas (elementos base do nitrogénio orgânico) quando verduras, cozidas ou cruas foram expostas a estas, mesmo que por uma duração extremamente curta.

     

    Estatisticamente num elevado percentual de pessoas, os alimentos feitos com o uso de microondas causaram o desenvolvimento de cancro no estômago e nos intestinos, bem como uma degeneração generalizada dos tecidos celulares periféricos, com um gradual colapso dos sistemas digéstico e excretor.

     O corpo humano não pode metabolizar (decompor) os produtos desconhecidos criados nos alimentos feitos com as microondas.

     A produção das hormonas masculinas e femininas diminui ou altera pela contínua ingestão de alimentos cozidos com microondas.

     

    A ingestão prolongada de alimentos tratados com microondas causa o aumento das células cancerígenas no sangue humano.

     

    Comer alimentos preparados com uso de microondas, causa a perda da memória, perda da concentração, instabilidade emocional e uma diminuição a inteligência.

     

     

    Diminuição do valor nutritivo dos alimentos:

    A exposição às microondas provocou significantes diminuições no valor nutritivo de todos os alimentos pesquisados.

     Uma diminuição na bio-disponibilidade (capacidade do corpo para utilizar os nutrimentos) das vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, minerais essenciais e lipotrópicos em todos os alimentos;

     Uma perda de 60 a 90 % do conteúdo do campo de energia vital em todos os alimentos testados;

     

    Uma redução no comportamento metabólico e na capacidade do processo de integração dos alcalóides (elementos básicos do nitrogénio orgânico), glucoses, galactoses e nitrilosidos;

     

    Uma destruição do valor nutritivo das núcleo-proteínas das carnes.

     

    Uma acentuada aceleração da desintegração estrutural em todos os alimentos.

     

    Atenção isto não é hoax, não é um mito urbano.



Visite sempre este website. Sempre haverá novidades e notícias que não se divulga